quarta-feira, 24 de junho de 2009

BOM SABER DISSO , NÃO É?



Meu pai não se chamava Pangloss, não era filósofo e eu não sou adotada, não fui inventada por Voltaire e nem me chamo “Cândido ou o Otimista”. Acho até que sou um pouco pessimista, do tipo se o copo está com água pela metade eu digo que o copo ta quase seco, quando um otimista diria que o copo está quase cheio.


Às vezes eu me questiono por conta de umas diferenças que eu tenho com o Senhor lá de cima, mas precisamente pelo que nos ensinaram em Seu nome quando criança nas aulas de catecismo, como por exemplo essa coisa de pecado, de morrer, de alma que desprende do corpo, de ir pro céu, inferno ou purgatório.


Daí o meu pessimismo com relação a cumprir as metas para alcançar o caminho do céu. Acontece que eu cresci e andei lendo uma turma boa que tem cada idéia que nos leva a ficar otimista com relação a esta coisa de pecado, de castigo.


Conheça essa do nosso coleguinha alemão Leibniz, conhecido como arauto do otimismo e filósofo nas horas vagas, diz ele: Como Deus é onipotente e bom, podemos assegurar que o mundo é o melhor dos mundos possíveis; isto é, é aquele que contém o máximo de bem com um mínimo de mal que é condição para o bem do conjunto.


Deus quer que os homens sejam livres e permite que possam pecar, porque é melhor essa liberdade que a falta dela. O homem não sabe usar a liberdade; esta é um bem. O pecado aparece, pois, como um mal possível que condiciona um bem superior, a saber: a liberdade humana”.


Bom saber disso, não é?

Um comentário:

Chica disse...

Acho que temos que tentar swer optimistas ,apesar do que vemos por aí.E acho ainda que o homem não usa bem sua liberdade!beijos,chica