segunda-feira, 4 de maio de 2009

DO DESENCANTO



DO DESENCANTO

VENDE-SE

A ANGÚSTIA

Manufaturada em série

Se expõe

Na vitrine do DESENCANTO

A ANGÚSTIA

A preço de ocasião

Compra duas leva três

Na seção do DESENCANTO

A ANGÚSTIA

Em liquidaçãoPrêt-à-porter

Do DESENCANTO

(Camilo Rosa)


Tantos e tantos sentimentos... Mas entendo que o do desencanto não é fácil de suportar, vem acompanhado de uma apatia que toma conta do ser e que duas vertentes da filosofia classificam como cepticismo e estoicismo tornando esse ser insensível a qualquer dor, a qualquer sofrimento.


E isso não é bom, o olhar fica vago, apodera-se da alma uma sensação de vazio que nada preenche, é como se o corpo não respondesse a nenhum outro sentimento, nada oferece prazer e nem se luta para que isto aconteça, só dá vontade de ficar observando as pessoas, procurando em cada rosto os seus mistérios, é como se quisesse encontrar a desilusão do outro para justificar a sua e embora haja o reconhecimento de que neste mundo cabe muita gente, mesmo assim é invadido pela sensação que está sobrando nele.


Pois é..., eu que não conheço Schawarzenegger e não vou pra Califórnia deixo dito: “Hasta la vista baby”; vou ficando por aqui mesmo, nesta “preia-mar” de desencanto, tentando sair do labirinto que é o “domus de Trimalquião” e de escapar da “nau de Licas, que se tornou a caverna de Ciclope”, já que não sou nenhum anti-herói criado por Petronio no seu Satiricon .

Um comentário:

Chica disse...

Mais uma linda crônica que hoje fala de desencanto e fico feliz ao saber que ele passa bem longe de ti! um beijo,chica