sexta-feira, 30 de novembro de 2007

QUE ME DEIXE SONHAR



A sociedade movida por uma conjugação de fatores vive em permanente estado de insatisfação. A nação reclama pelos mais diferentes motivos. O governo reclama de si próprio.

Sociedade + governo = NAÇÃO. E a nação que reclama é a nossa. O que falta, então, para que ela saia dessa reunião de condições e motivos adversos, que mais parece uma roda dentada que só se move segundo o plano que a criou?

Faltaria a esta nossa nação um grande homem? Um que de fato decidisse, agisse, determinasse? Por que não surge a figura desse grande homem, já que, segundo dizem, ele é feito pelas circunstâncias e circunstâncias existem?

Será que a nossa história sempre será uma triste história? Será que o tempo passa e apesar disso ainda possamos ver grupos correndo atrás de bichos? Será que não podemos resolver os nossos problemas de forma coletiva? Será que continuaremos a falar indefinidamente sobre pessoas ao invés de discutir coisas? Teria razão o marechal-de-campo de Hitler de nome Von Brauchitsh, que acreditava que há um livro de destino onde a história humana independe do que os homens possam fazer?

Acton deixou escrito: “ Nada causa mais erros na visão da história que o interesse em indivíduos”. Sabemos que nem sempre de personagem central viveu a humanidade. Estão aí registradas as revoluções neolíticas, comercial e industrial, que foram grandes fenômenos coletivos que envolveram a colaboração gradativa de enormes multidões de observadores, experimentadores, repetidores, aperfeiçoadores etc.

E, se coube a mulher a mais importante e revolucionária das descobertas neolíticas, que foi o método da reprodução dos vegetais e conseqüentemente a agricultura, (incluindo-se aí algo sobre irrigação, aragem do solo etc.) que nem mesmo a descoberta da máquina a vapor ou de energia atômica foi tão revolucionária e teve alcance tão profundo no destino da nossa espécie. Que sejamos nós mulheres, as precursoras de uma nova revolução onde se possa deter, e mesmo inverter o curso dos acontecimentos, que possamos com a acuidade já demonstrada de “cientistas”, descobrir uma novo método de reprodução. Desta vez, não de vegetais, mais de sentimentos, onde a solidariedade humana floresça e que este pedaço de chão, que é a nossa pátria, seja de fato comum a todos os seus filhos, com os mesmo direitos, deveres e obrigações.

Enquanto nada acontece, que me deixe sonhar e sonhando espero que surja entre nós a figura de um grande homem ou de uma grande mulher, que absorva as tendências sadias desta nossa sociedade e explique de forma clara o que essa mesma sociedade espera ouvir. Um grande homem ou uma grande mulher que nos chefie, que decida, aja, determine.

Um comentário:

Paulo de Poty disse...

A companheira Heloísa Helena, durante a última campanha para presidente, por várias vezes a ouvi dizer, "nessa forma física não hei de ver o Brasil dos meus sonhos". Faço essas minhas palavras também. Conservo ainda uma esperança tímida que um dia tenhamos pessoas de brios no congresso, senado e palácio do governo, mas por entanto....
------------
Excelente texto minha amiga.